domingo, 16 de dezembro de 2007

Uma análise da historiografia guarabirense



Texto e análise : Josias Faustino


GUARABIRA: Democracia, urbanismo e repressão 1945/1965

Por José Octávio de Arruda Mello

O ponto de partida desta importante obra da historiografia municipalista contemporânea de Guarabira é situar a cidade de forma introdutória nos anos 30, relacionando o impulso comercial e a conseqüente urbanização do período ao surgimento de importantes lideranças políticas.

A partir de duas frentes políticas, uma delas lideradas por Antônio Galdino Guedes, e outra pelo major Ozório de Aquino, chefe local dessa corrente, em 1945. Dentro da nascente UDN, a posição osoriana não seria predominante, oscilando muito no âmbito da política estadual. Pelo lado oposto, o Dr Galdino Guedes não era um potentado. Perfazendo carreira junto ao aparelho do Estado. Ante a redemocratização de 1945, a principal liderança de Guarabira não sairia das fileiras do guedismo, mas dos aquinos. Filho de Ozório de Aquino, e preparado pelo mesmo para sucedê-lo, Osmar de Aquino, prefeito nomeado de 19 de agosto a 2 de dezembro de 1940, recorreu á oratória e advocacia, sobretudo criminal, de júris populares, para consolidar-se. Sua carreira se processaria mais junto ao povo miúdo, que da burguesia ou proprietários desta. O pós 1945 é marcado pela supremacia da UDN, que em razão do prestígio de Ozório Aquino, novamente prefeito nomeado. Neste momento surge também importantes lideranças políticas, a exemplo de Dr. Pimentel Filho pelo PSD e de Silvio Porto pela UDN do grupo ozoriano. Sem perder de vista os consagrados nomes de Sabiniano Maia e Augusto de Almeida. Segue-se a isso o embate político dos anos 50 e 60, onde se revela desde cedo as convicções esquerdizantes de Osmar de Aquino, e neste contexto merece destaque a figura do comunista “Chico do Baita”, que se engajou no movimento de esquerda. A partir daí o autor trabalha os acontecimentos políticos, desde a política local, a esfera estadual e federal. Situando-os dentro do período de redemocratização do país, extravasando estes limites chegando aos tempos da Ditadura Militar, onde novas lideranças se destacara, quando surgiram os dois novos partidos por imposição do regime militar: a ARENA e o MDB, aí o circulo se fechou “Guarabira : Democracia urbanismo e repressão”.

Conforme o prefácio de Zenóbio Toscano, o historiador José Octávio procura recompor o universo da História política, a partir de sua principal liderança, buscando alcançar a totalidade do universo sobre que se detém. Para José Octávio, tratava-se de recompor o universo abrangido por essas lideranças, partindo delas mas sem ficar nelas. Daí a idéia de fusão da democracia com a cultura, onde vai se dar justamente nos primeiros tempo da urbanização do município. Portanto, a obra se situa em torno de Osmar, analisando os seus momentos de glórias e de crises. Essa metodologia otaviana de análise historiográfica, a partir das grandes lideranças, somente poderia significar a entronização de Osmar de Aquino, candidato a deputado federal, prefeito e deputado estadual em diversos pleitos. Como ilustre membro do grupo José Honório Rodrigues, sendo, portanto um revisionista da historiografia paraibana, o mesmo não fica preso a esta liderança e na sua “trama política” consegue englobar em sua totalidade outros nomes dos quais merecem destaque Sabiniano Maia e Augusto de Almeida, este último prefeito de Guarabira por duas vezes, em 1951 e 1959, o farmacêutico Augusto de Almeida é considerado, ao lado de Sabiniano Maia, o principal renovador do aspecto urbanístico da cidade.


Itinerário Histórico de Guarabira

Por Moacir Camelo de Melo

Uma das mais recentes edições da historiografia guarabirense, enfática pelo seu caráter positivista na narração dos fatos. Cronológica desde o início até o final, faz uma menção progressiva desde os primórdios da colonização, formação territorial, colonização e povoação do espaço rural e urbano, criação da vila e da cidade. A partir do surgimento da cidade e conseqüente poder político municipal, surge as primeiras lideranças políticas, as nomeações dos prefeitos, os futuros embates políticos e disputas eleitorais dos diversos momentos da história política. Para efeito didático, considero a mais importante obra da historiografia contemporânea/ positivista do Município de Guarabira, haja vista, a seqüência lógica e cronológica dos fatos. Fica evidente na obra a preocupação do autor em “resgatar o passado glorioso” ou seja, despertar o adormecido. Isto se desenrola na ordenação dos prefeitos, nos conchavos políticos das oligarquias, nas obras públicas as mais diversas, em fim toda a trajetória e evolução política de guarabira, sem deixar de mencionar a preocupação do autor a situar a evolução política e econômica da cidade dentro do contexto regional das demais cidades.

Memórias do futebol guarabirense

Vicente Barbosa

Acredito que o autor teve a intenção de fazer uma obra bibliográfica bastante diferenciada do sentido formal da historiografia tradicional, ensejando documentar a memória do nosso futebol elaborando uma espécie de “memorial”. É bem verdade que às vezes os conceitos de história e memória se confundem apesar de serem termos diferenciados, eu, porém considero que ambos se complementam. Na apresentação do livro, o mesmo expressa a intenção de “fazer história” talvez diferente. Não deixando se levar pela rigidez dos fatos, nem tão pouco pela cronologia estática, ao contrário o que marca é a leveza dos seus textos, dando uma semântica poética aos fatos. Nos primeiros capítulos destaca os principais nomes do nosso futebol,construindo uma biografia dos ilustres abnegados do futebol local, associando cada um dos nomes a um momento histórico do futebol guarabirense. Dentre os principais destacamos: Almeida Egito e os primeiros tempos da prática de futebol, que neste momento era jogado no centro da cidade; Zé Pereira importante comandante do G.E.C. desde os primeiros momentos adentrando pelos anos 40 e 50; Araújo Medeiros e a era da modernização do futebol; Cleonaldo Toscano e os melhoramentos do estádio Silvio Porto, e por ai vai a dissertação de nomes e craques revelando passo a passo a história do futebol.no Município.


Guarabira através dos tempos

Por Cleodon Coelho

Com certeza a mais densa e importante obra da historiografia guarabirense, “Guarabira através dos tempos” tem sido à base de estudo para a fomentação de outras obras historiográficas. Uma obra rica em documentos, fatos e temas do cotidiano. A religiosidade do povo fica marcado nos primeiro tempos da história. A construção da primeira capela pelo padre João Milanês, a fundação da paróquia, as reformas da Igreja, as ordenações e festas religiosas, destacando o cotidiano dos primeiros momentos da Festa de Nossa Senhora da Luz. O aterro e as primeiras melhorias no centro da cidade por diversos objetivando facilitar a locomoção dos pedestres que viessem dos distritos e de outras regiões. Há uma preocupação também com os movimentos populares, tendo como exemplo a revolta do Quebra Quilos em Guarabira, a enchente que assolou o nosso município. Sem dúvida o trabalho historiográfico mais abrangente, pois não somente narra a história de vidas ilustres, mas também a vida de um povo, constituindo assim uma relíquia da história política e cultural do povo guarabirense.

Comentário final

Diante das dificuldades ainda hoje encontradas, não somente pelos historiadores, mas qualquer pessoa que se obstine a escrever história, apesar disso, reconheço que a historiografia guarabirense evoluiu nos últimos anos. Num primeiro momento, tivemos as importantes obras de Antônio Galdino Guedes, Sabiniano Maia e Cleodon Coelho. Este último merece destaque pela abrangência do trabalho, não somente pela riqueza de documentos registrados, mas também pela grandeza e visão de historiador que teve ao incluir em sua obra “Guarabira através dos tempos” aspectos do cotidiano religioso, social e político de nossa cidade. Um trabalho que além das vidas ilustres destacadas, consegue envolver também outros fatos e temas que contribuíram significativamente com a evolução do povo no Município. Tivemos ainda importantes registros que foram deixados pelo Dr. Pimentel e também pelo Mons. Emiliano de Cristo. Num segundo momento, segue-se a imprescindível obra “Guarabira: democracia, urbanismo e repressão” onde o autor consegue perceber que a partir dos anos 30 o impulso comercial e econômico, vivenciado pela cidade, reafirmou sua posição como pólo regional, contribuiu significativamente para o surgimento de novas lideranças políticas. A cidade tornou-se atrativa para muitos que vieram aportar nela. Ai onde ocorreu a fusão da democracia com a cultura, tudo isso num contexto de redemocratização nos pais. O crescimento populacional, a melhoria nos serviços públicos e a urbanização da cidade, tornara realidade, e os debates no campo político se ampliara. Outra importante obra da historiografia contemporânea que merece destaque é o “Itinerário Histórico de Guarabira” de Camelo, a mesma tem sido bastante apreciada pelos estudantes, haja vista, ser uma obra completa.. Segue-se a isso os novos temas trabalhados por outros historiadores, a exemplo de Barbosa que em seu trabalho “memórias do futebol guarabirense” consegue resgatar a história do futebol. Acrescentamos ainda a “História das eleições municipais de Guarabira”(Aedson Cunha) e “Casa Osório de Aquino: História de um Parlamento”(Vicente Barbosa), obras que consolidam a historiografia política de Guarabira. E recentemente destacam-se, as seguintes obras: “o teatro guarabirense – 70 anos de história” e “a História dos cabarés”. pois surge como inovação historiográfica, justamente por considerar outras temáticas e novas abordagens, estando assim em plena sintonia com as inovações da historiografia brasileira no momento atual. Lamento apenas a falta de um trabalho que mostre a evolução econômica e social do município, em tempos não muito distante, Guarabira tinha uma economia agrícola diversificada. Aqui se produzia açafrão, algodão, agave, castanha e tantos outros produtos que a credenciava como pólo exportador dos mesmos. Nos anos 80 e começo dos anos 90, vivenciou um “surto industrial” hoje parece estagnado. Todas estas questões merecem um estudo melhor por parte dos historiadores.

Referências Bibliográficas

MELLO, José Octávio de Arruda. Guarabira: democracia, urbanismo e repressão 1945/65. João Pessoa: União CIA. 1997.

COELHO, Cleodon. Guarabira através dos tempos. Guarabira. Nordeste. 1975.

SILVA, Vicente Barbosa da, Memórias do futebol guarabirense. Guarabira. 1998.

MELLO, Moacir Camelo de, Itinerário Histórico de Guarabira. João Pessoa. 1999.

Nenhum comentário: